O Athletico Paranaense recebeu na no noite de ontem, quarta-feira (11), o Internacional em jogo válido pela final da Copa do Brasil 2019. A vitória pelo placar de 1×0, gol de Bruno Guimarães, deixa o rubro-negro em vantagem para o jogo de volta da decisão, que acontece na próxima quarta-feira (18) no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre.

Conforme as informações adiantadas pela mídia especializada, o técnico Tiago Nunes optou pela manutenção da equipe que conquistou a histórica classificação diante do Grêmio no partida de volta das semifinais, com Nikão atuando aberto pelo lado direito do ataque e Léo Cittadini no meio-de-campo ao lado de Wellington e de Bruno Guimarães. A única novidade foi o retorno de Léo Pereira à defesa, atuando ao lado de Robson Bambu.

O colorado gaúcho veio a Curitiba com a clara intenção de desacelerar o jogo e garantir um empate sem gols para decidir o título em seus domínios na próxima semana. A maior prioridade era não perder. Se fosse possível vencer se aproveitando de um contra-ataque ou de uma jogada de bola parada, melhor, mas se manter vivo na disputa pelo título era claramente o grande objetivo do Internacional na partida.

O Furacão, por sua vez, assumindo o protagonismo que se espera de um mandante em um jogo decisivo, dominou de forma avassaladora a equipe treinada por Odair Hellmann. Em certos momentos da primeira etapa a posse de bola do rubro-negro paranaense beirou impensáveis 80%.

As chances de gol foram raras de ambos os lados no primeiro tempo, algo compreensível quando se enfrenta um adversário preocupado somente com a sua defesa. Entretanto, o domínio do Athletico era absoluto e a tendência era que cedo ou tarde a barreira colorada se rompesse diante das recorrentes investidas rubro-negras.

E foi o que aconteceu. Grande destaque da partida, Bruno Guimarães aproveitou bate-rebate da defesa gaúcha para abrir o marcador em favor do Furacão aos 12 minutos da etapa complementar. A tendência natural àquela altura era que o rubro-negro do Paraná mantivesse o domínio das ações e talvez até ampliasse a vantagem já conquistada.

Entretanto, um movimento que Tiago Nunes realizou instantes antes colocaria em xeque o domínio rubro-negro. A saída de Léo Cittadini para a entrada em campo de Thonny Anderson resultou na perda do meio-de-campo pelo Athletico. O Internacional então cresceu na partida, chegou a criar algumas situações de perigo e poderia ter marcado um gol que colocaria o Furacão em situação delicada na decisão.

O único momento no período em que o Athletico esteve realmente perto de aumentar a sua vantagem no marcador foi quando Rony finalizou cruzado para excelente defesa do goleiro colorado Marcelo Lombo após realizar grande jogada individual.

A entrada de Lucho González no lugar de Rony mais de 23 minutos depois daquela primeira alteração acabou por mitigar as suas consequências, trazendo novo equilíbrio ao confronto. Porém, o rubro-negro jamais recuperou o amplo domínio demonstrado durante os primeiros 60 minutos de jogo, motivo pelo qual a vitória por 1×0 parece refletir o que de fato ocorreu em campo.

Bom resultado para o Furacão. Entretanto, para conquistar o título inédito da Copa do Brasil é indispensável que a valiosa lição tenha sido aprendida. Entregar passivamente o controle do meio-de-campo ao Internacional em uma bandeja de prata pode pode custar caro.



O Athletico recebeu na Arena da Baixada na noite de ontem (quarta-feira), dia 5 de Junho, o Fortaleza em jogo válido pela fase oitavas-de-final da Copa do Brasil 2019. A vitória pelo placar de 1×0 (gol de Marco Ruben) – após um empate em 0x0 na capital cearense no jogo de ida – garantiu ao rubro-negro a vaga nas quartas-de-final da competição.

 

Depois da conquista inédita da Copa Sulamericana em 2018, contando com dos melhores times da história do clube e a apenas quatro jogos de mais uma final de Copa do Brasil, é inevitável que nós – torcedores – nos perguntamos: é possível pensar em título?

 

A resposta dessa questão, entretanto, é consideravelmente mais complexa do que um mero ‘sim ou não’, muitos são os fatores que poderão influenciar no desempenho do Furacão na fase final da competição.

 

Primeiramente, é importante destacar que o nível dos adversários daqui para frente aumentará. Internacional, Flamengo, Santos ou Atlético-MG, Grêmio, Palmeiras, Cruzeiro e Bahia – além do próprio Athletico – disputarão fervorosamente o título mais rentável do calendário brasileiro – acreditem ou não, o prêmio por vencer a Copa do Brasil é superior ao do Brasileirão.

 

O rubro-negro paranaense tem capacidade mais que suficiente para enfrentar qualquer cruzamento que se apresente, mas inegavelmente a sorte no sorteio dos chaveamentos pode influenciar o resultado que o Furacão alcançará na competição.  Um ‘tira-teima’ com o Bahia nas quartas-de-final representaria um desafio mais acessível e menos desgastante do que enfrentar, por exemplo, Palmeiras ou Flamengo – os dois elencos mais caros do país – logo nas quartas-de-final.

 

Um segundo fator importante a considerar é que a janela de transferências europeia se abrirá oficialmente no dia 1º de Julho e que alguns dos jogadores mais importantes do elenco são alvos de grandes clubes da Europa.

 

As eventuais saídas de jogadores como Léo Pereira, Renan Lodi e/ou Bruno Guimarães poderão se transformar em obstáculos para a conquista do título. Caso uma ou mais dessas saídas se confirmem, a diretoria precisará agir rapidamente e garantir reposições à altura e o técnico Tiago Nunes deverá garantir que os recém-chegados se adaptem rapidamente para manter a competitividade na fase final da temporada.

 

Um terceiro ponto importante é o desempenho do time. Por mais que estejamos classificados para as oitavas-de-final da Libertadores da América e quartas-de-final da Copa do Brasil, o desempenho oscilante e os gols sofridos quase sempre nos minutos finais por uma equipe ainda adquirindo o melhor ritmo de competição preocupam. Entretanto, acredito que o novo período de treinos durante parada para a Copa América e a sequência de jogos devem trazer de volta o nível de atuação que foi coroado com o primeiro troféu internacional do clube em 2018.

 

Por fim, o último fator que pode ser decisivo em favor do Athletico é a sua torcida. O caldeirão da Arena da Baixada vai ferver, a presença maciça da torcida athleticana nas fases finais da Copa do Brasil é indispensável para que o clube alcance mais um título tão sonhado.

 

Os adversários que enfrentarem o Furacão em seus domínios deverão se sentir pressionados e acuados dentro de campo, como reconhecidamente sempre soubemos fazer. Públicos como os de ontem (15.797) não podem se repetir e a torcida terá que fazer o seu papel fora de campo da mesma forma como os jogadores terão que fazer a sua parte no gramado.

 

Classificados e confiantes nas nossas possibilidades, agora é aguardar o sorteio dos confrontos das quartas-de-final e do chaveamento em busca de mais um enfeite para a sala de troféus da Arena da Baixada. Pra cima deles, Furacão!

Hoje, nessa tarde fria e cinzenta de Curitiba, o nosso Furacão enfrentou o Fluminense, time comandado por Fernando Diniz.
Com um princípio de jogo normal para o Atlético, onde há pressão e apoio forte da torcida, o rubro negro veio pressionando o tricolor carioca.
Infelizmente, Nikão, anda com uma maré de azar em não conseguir fazer o gol e assim, desencantar. Sua participação, ainda assim, foi segura e saiu de campo no segundo tempo aplaudido.
Com Márcio Azevedo como titular, o Atlético não enfrentou tantos problemas para segurar o desorientado time de Diniz, que por sua vez estava suspenso.
O ex comandante atleticano não foi esquecido pela torcida rubro Negra, sendo xingado por diversos momentos na partida, diferente de Tiago Nunes, o qual, mais uma vez foi ovacionado pela nação do maior do Paraná.
Contudo, ao time vermelho e preto restam pontos a serem melhorados, principalmente com o camisa 8, Tomás, que acaba descartando boas chances. Vale lembrar que o passe originário do terceiro gol foi dele, o que deixa aparente ser apenas um ponto para melhorar, ainda que urgentemente.
Com a expulsão do jogador Airton, aos 32 do primeiro tempo, o time paranaense apenas administrou a vitória no segundo tempo, fazendo alterações um tanto quanto previstas e já pensando no duelo contra o Fortaleza, válido pela Copa do Brasil.
Na quarta feira é importante que o nosso Furacão seja empurrado por todos nós, pois temos mais uma decisão e apenas a vitória nos interessa. Também pelo Brasileiro, os nordestinos foram derrotados pelo Flamengo, devido a problemas com troca de passes.
Notas dos jogadores do furacão:
Santos 7.5
Márcio Azevedo 6.2
Léo Pereira 8.5
Madson: 6.2
Lucas halter: 7.5
Wellington: 7.0
Bruno Guimarães: 8.5
Lucho: 8.2
Nikão: 7.9
Rony: 9.0
Marco Ruben: 7.9