Alguns dias atrás fomos pegos de surpresa com a saída de Tiago Nunes ,sabíamos que um dia isso iria acontecer porém não dá maneira como foi. Muitos apoiaram nosso ex técnico campeão que nos proporcionou tantas alegrias ,outros se sentiram traídos pelas “mentiras ” faladas pelo próprio nas coletivas mas  nem valem a pena a serem repetidas.  Como diria nosso saudoso Cazuza ” Tempo não para ” é fato ,não podemos ser “viúvas de Tiago Nunes ” passar dias se lamentando o  que passou passou seremos gratos ao espetacular trabalho feito por esse profissional, mas temos que  continuar e seguir com o projeto grandioso que furacão possui . Já estamos garantidos na Libertadores de 2020 e esse é nosso objetivo conquista lá. Precisamos de um técnico que mantenha o mesmo ritmo de jogo do qual nos habituamos ,sermos ofensivos e trocando passes exitosos . Seria a hora de buscar um tecnico estrangeiro ou de darmos a chance ao que temos de melhor por aqui ? Nao sabemos o que a diretoria irá preferir mas caro torcedor podemos ter certeza que fará o certo.

Eu particularmente em dois jogos no comando do jovem Eduardo Barros gostei da proposta e da continuidade dada por ele ,tivemos aí grandes desfalques contra o São Paulo mas saímos vitoriosos. Dois jogos são poucos mas até o fim do brasileirão poderemos ver mais o trabalho dele pelo que vi já está agradando a maioria tirando a famosa “turma do amendoim ” afinal até Tiago era criticado por eles, mas graças a deus são minoria.

Eduardo Barros 34 anos jovem como o Tiago Nunes saberia levar o Furacão ao seu primeiro título da Libertadores ? Fica aí minha pergunta a ser respondida por quem quiser

Seguimos firmes e fortes ,obrigada Tiago Nunes, Boa sorte ao seu sucessor seja ele quem for

CONTRIBUA COM A GENTE, OLHE PARA BAIXO PIÁ DO DJANHO!




Notícia apurada no jornal Gazeta do Povo

Por três votos a dois, o Coritiba foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR) por desrespeitar um acordo formal e não emprestar o Estádio Couto Pereira ao rival Athletico em julho de 2017. O valor total da indenização deve passar de R$ 1 milhão.

A decisão, contudo, ainda não é definitiva e a defesa do Coxa tentará um recurso especial no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Relembre o caso
Na época, o Athletico alugou a Arena da Baixada para a realização da Liga Mundial de Vôlei. Porém, a partida contra o Santos, pelas oitavas de final da Copa Libertadores, coincidiria com a data em que o estádio estaria indisponível.

A diretoria atleticana, então, recorreu a um acordo de 2015 que previa a cessão mútua dos estádios em caso de necessidade. Só que o Coxa, também por pressão de seu Conselho Deliberativo, se negou a alugar o Couto.

A alegação foi que o gramado estava sem condição de jogo por causa do plantio da grama de inverno. O departamento jurídico do Athletico tentou uma liminar para fazer valer o contrato, mas o pedido não foi aceito e o jogo aconteceu na Vila Capanema.

Decisão e multa
De acordo com o voto do relator do processo, Luciano Carrasco Falavinha Souza, “o Coritiba Foot Ball Club deliberadamente agiu para prejudicar o Club Athletico Paranaense, impedindo-o de jogar partida da Copa Libertadores da América em seu estádio, por sentimento canhestro”.

A multa é da ordem de R$ 220 mil, já com juros e correção monetária. Ela é composta pelo valor acordado pelo aluguel do Couto Pereira (R$ 70 mil) somada à diferença do que foi pago ao Paraná pela utilização da Vila Capanema (R$ 160 mil).

A maior parte da indenização, no entanto, se refere ao que o Athletico deixou de arrecadar com venda de ingressos no jogo da Libertadores. O número de pagantes (13.770) foi inferior à quantidade de sócios do clube na época (cerca de 25 mil). Ou seja, não houve venda de ingressos avulsos.

Assim, o valor final do dano vai considerar a média de torcedores que foram aos jogos da Libertadores e o público máximo do duelo no Durival Britto.

A conta deve fechar entre R$ 1,2 milhão e R$ 1,7 milhão, como estima o advogado do Athletico, Luiz Fernando Pereira.

“Em tese ainda cabe recurso ao Coritiba. Mas em matéria de fato o STJ não altera o resultado. E como o recurso não tem efeito suspensivo, o Athletico já pode executar a dívida”, afirma Pereira.

FONTE: GAZETA DO POVO



A campanha contou com quatro vitórias, três empates e uma derrota, com oito gols marcados e cinco gols sofridos.

Athletico x Fortaleza

O primeiro adversário foi o Fortaleza, fora de casa. Contra o time comandado pelo então técnico Rogério Ceni, o Furacão ficou no 0 a 0, em um jogo de pouca emoção na Arena Castelão. Já no jogo de volta em Curitiba, num duelo de ataque contra defesa, o Furacão venceu por 1 a 0, na Arena da Baixada, com gol do atacante argentino Marco Ruben, de cabeça, aos 43 minutos do segundo tempo.
Assista o gol de Marco Ruben que deu a classificação ao Furacão

Athletico x Flamengo

O adversário das quartas de final foi o midiático Flamengo, Nos primeiros 90 minutos da decisão, tudo igual entre os rubro-negros. As equipes ficaram no 1 a 1, na Arena da Baixada, no duelo marcado por emoções, polêmicas e gols anulados após consultas ao VAR. Léo Pereira marcou para o Furacão, e Gabigol fez o do Fla.
Assista os gols do empate

Jogo de volta no Maracanã com 70 mil pessoas, Pênaltis com emoção, brilho de Santos e “cheirinho”
O mesmo placar da Arena da Baixada se repetiu no Maracanã: 1 a 1. Os gols saíram no segundo tempo. O Flamengo marcou com Gabigol, mas o Furacão não desistiu, cresceu no fim e empatou com Rony, levando a decisão para os pênaltis. Nas cobranças brilhou a estrela de Santos, que pegou os chutes de Diego e Everton Ribeiro. Classificado, o Athletico ainda ironizou o time carioca na comemoração, zoando Gabigol e lembrando do “cheirinho”.
Assista os gols e a vitória nas cobranças de pênaltis

Athletico x Grêmio

Derrota dolorida contra o Grêmio Na semi, o Athletico teve o Grêmio pela frente. No primeiro duelo, o Furacão perdeu por 2 a 0, em Porto Alegre, com gols de André e Jean Pyerre. Com atuação abaixo do esperado, o Rubro-Negro foi facilmente dominado pelo time de Renato Gaúcho, que saía em vantagem na primeira decisão.
Assista os gols do jogo

Jogo de volta na Arena e a morte do imortal
Derrotado na ida, restava vencer ou vencer ao Athletico. O Furacão precisava bater o Grêmio por três gols de diferença para ficar com a vaga. Empurrado pela torcida, o Rubro-Negro transformou o estádio em caldeirão e devolveu o placar, com gols de Nikão e Marco Ruben. Nas cobranças, Santos defendeu o último chute, e colocou o Athletico na grande decisão do título.
Assista os gols e a vitória nas cobranças de pênaltis

Athletico x Internacional

E veio a final. E mais um gaúcho pela frente. No primeiro duelo, em Curitiba, o Furacão saiu na frente. Com uma linda festa na arena da baixada o furacão ia para Porto Alegre com uma vantagem. Não poderia faltar uma polêmica né, o Atacante Guerreiro com toda soberba do mundo reclamou da grama, reclamou que o bolso do bambu era muito pequeno e disse que em casa a gente conversa…
Assista o gol de Bruno Guimarães na vitória do Furacão

O jogo da volta e a Taça inédita!

Com a vitória na ida, o Furacão podia até empatar. Ao o Inter, a obrigação de vencer por dois gols de diferença para levantar a taça. Com o Beira-Rio lotado, o Athletico suportou a pressão dos primeiros 20 minutos e conseguiu abrir o placar, com gol de Léo Cittadini, após assistência de Marco Ruben. Ainda no primeiro tempo, o Colorado empatou com Nico López, aproveitando a bobeira da zaga atleticana. Já nos acréscimos, Marcelo Cirino fez uma jogada espetacular e deu o gol de presente para Rony dar números finais à decisão e fechar com chave de ouro. É campeão!
Assista os gols do jogo

FESTA DO TÍTULO DO ATHLÉTICO PR CAMPEÃO DA COPA DO BRASIL 2019

DRIBLE ABSURDO DO CIRINO, PASSE E GOL DE RONY



O Furacão conseguiu nesta quarta-feira um feito histórico, uma remontada épica para cima do “imortal” que mais morre nesse Brasil e com isso reacendendo o fogo midiático sobre se está inserido no grupo dos doze times grandes do país.

Mesmo com o crescimento de vários times do Brasil nesta década não há como não admirar o incrível crescimento do furacão que não tem nem de longe o mesmo poder de investimento a exemplo de Flamengo e Palmeiras, mas consegue grandes resultados dentro e fora de campo e pode ser considerado sim um dos grandes que figuram pelo futebol nacional.
Desde o início da era Petraglia em 1995 o furacão teve um salto assustador em termos esportivos e financeiros, que proporciona aos profissionais e atletas uma estrutura de primeiro mundo visando cada vez mais potencializar a qualidade técnica e tática do time e com isso se tornando um clube modelo de gestão dentro e fora de campo, priorizando desde a última década o uso de jovens oriundos das categorias de base em suas campanhas, dando não só retorno técnico mas também econômico para o clube com as vendas dos pratas da casa para os gigantes europeus em sua maioria por valores astronômicos.

Quando o assunto é torcida somos reconhecidos pela nossa paixão e pressão que colocamos nos adversários, se tem torcida que muda resultados essa é a nossa, a diretoria tem como meta chegar a 30 mil sócios no seu quadro até o final do ano, algo que se começarmos a ter sempre grandes times e grandes conquistas será alcançado sem sombra de dúvidas se não agora, com certeza em um futuro bem próximo, haja vista essa nova geração que vem se apaixonando e passando a consumir a marca Athletico paranaense devido aos feitos recentes o que vai puxando essa molecada mais nova a cada vez mais mergulhar nesse oceano rubro negro.

A torcida Athleticana tem motivos de sobra para comemorar e acreditar que estamos no caminho certo para tornar o furacão cada vez mais gigante e quebrar a barreira nacional e brigar de frente com os maiores da América.

Deixo aqui duas perguntas, Na sua opinião analisando os aspectos financeiros, marketing, torcida e resultados o Furacão é o time que tem o maior crescimento no futebol brasileiro? O que falta para que a mídia se renda e enxergue o Furacão como um gigante do certame nacional?



Em primeiro lugar Obrigado Thiago Nunes, isso mesmo que você leu! Gostaria de parabenizar nosso técnico por acreditar que era possível ganhar lá até o ultimo minuto, obrigado Thiago Nunes por tirar leite de pedra, por tentar fazer o impossível, sei que no jogo de ontem não foram feitas às melhores escolhas, mas você martelou, lutou e caiu… Não se preocupe, nós estamos aqui para ajudar você a se levantar.

Parabéns Athletico, sim parabéns meu rubro-negro! Ontem e hoje acompanhei a movimentação nas redes sociais e vi a massa inflamada, principalmente a turma do cheirinho querendo tirar um sarro do CAP, sério isso? Hahahaha gostaria de ter metade do investimento que o cheirinho tem, um time com esse poder de compra se classificar borrando-se contra o EMELECA.
Acho que o Athletico atingiu outro patamar no cenário nacional e internacional, quando imaginaríamos ler um um jornal argentino estampado na sua CAPA ( cuidado con El Paranaense )?
Pois é meu amigos, acabou aquele timinho querido o time legal, acabou aquele dizer… No estado do Paraná eu gosto do Athletico.
Vaza pilaco, quem tem que gostar do Athletico somos nós athleticanos e guenta aí seu mix de bacalhau com pó de arroz, cheirinho podre que a gente bota fogo e manda se ferrar. Ou porco presidiário transvestido de Mazama gouazoubira.

Para ficar cascudo temos que criar cascos e só vai acontecer quando participarmos mais e mais vezes de grandes competições, sei que foi um duro golpe ontem, agora é levantar a cabeça e se preparar para o próximo round.

Gostaria de dizer aqui mais uma vez: Obrigado Thiago Nunes, Parabéns Athletico

O Athletico Paranaense recebeu na noite de ontem, quarta-feira (24), o Boca Juniors em partida válida pela fase de oitavas-de-final da Copa Libertadores da América de 2019. A derrota pelo placar de 1×0 – gol de Alexis MacAllister aos 82 minutos – deixou preocupada a fanática torcida rubro-negro, mas nada ainda está perdido.

Primeiramente, é importante contextualizar as críticas feitas por Tiago Nunes à postura adotada pelos argentinos no jogo de ontem.

“Eles vieram com poucos jogadores para nos atacar, vieram para perder e conquistaram um resultado melhor do que vieram buscar. Na volta, só espero que a gente possa jogar, porque o que o Boca veio fazer aqui não era jogar futebol. Teve pouca bola rolando.”

Tiago Nunes, declaração dada durante a coletiva pós-jogo

É inegável que as palavras do treinador do Furacão refletem o que ocorreu dentro de campo, porém é fundamental destacar também que o comportamento da equipe argentina na partida de ontem não trouxe nada de novo quando se fala do Boca Juniors atuando fora de casa na Copa Libertadores.

Desde os tempos do lendário técnico Carlos Bianchi, tricampeão da Libertadores à frente dos xeneizes, o Boca se comporta de maneira similar. Defende-se ferozmente – normalmente usando de duas linhas de 4 jogadores muito compactas -, aposta nos contra-ataques e nos talentos individuais de seus principais jogadores e faz uso de todo tipo de artifício e ardil para desperdiçar tempo e irritar e desestabilizar os jogadores adversários.

Dizer isso é absolutamente fundamental, uma vez que – estabelecido que não houve nada de surpreendente na postura adotada pelo Boca Juniors – é possível concluir que – apesar das críticas ao comportamento da equipe argentina serem merecidas – o Furacão não soube como lidar com isso e encontrar alternativas para vencer.

Muito disso se deve à falta de fluidez do meio-de-campo athleticano. Escalado ontem com Lucho González, Bruno Guimarães e Nikão, o setor pouco influenciou no desenvolvimento do jogo. Lucho ofereceu pouca proteção à defesa quando comparado ao que faz Welligton, Bruno Guimarães apareceu pouco para articular as ações ofensivas e Nikão esteve muito apagado em campo.

Outro aspecto que influiu decisivamente no resultado da partida dessa quarta-feira foi o emocional. Com os minutos passando e a frustração e a ansiedade crescendo cada vez mais, o Athletico viu as suas opções ofensivas serem limitadas a lançamentos nas costas da defesa argentina em busca da velocidade de Rony e de Marcelo Cirino e acabou castigado com o gol fortuito de MacAllister quando o confronto já se encaminhava para um empate que refletiria melhor o que se viu em campo.

Entretanto, ao contrário do que querem fazer crer os torcedores rivais, a eliminatória ainda não está decidida. La Bombonera é um estádio cruel com os visitante – isso é inegável – mas não existe time invencível e nem estádio inexpugnável. Outros 7 clubes brasileiros (Santos, Cruzeiro, São Paulo, Paysandu, Internacional, Fluminense e Palmeiras) já derrotaram os xeneizes em seus domínios, e esse time do Furacão já demonstrou ser capaz de escrever o seu nome na história em mais de uma oportunidade.

Jogar um futebol melhor do que o apresentado ontem, exibir um maior repertório ofensivo, mostrar segurança na defesa e ostentar a frieza necessária para vencer o Boca Juniors dentro de campo e emocionalmente, esse é o caminho que Athletico tentará trilhar na próxima quarta-feira, dia 31 de Julho, na Argentina.

Que o Furacão saiba que poderá contar o apoio de sua fanática torcida nessa missão. Rubro-negro é quem tem raça!

 

Já dizia o ditado gaudério, NÃO TÁ MORTO QUEM PELEIA
Não tá morto quem peleia!
Vai na raça, só na manha!
Não tá morto quem peleia!
É peleando que se ganha.

Depois de um jogo brigado, com muita tensão e pouco futebol dos dois lados, MacAllister fez o gol na cagada no segundo tempo, Boca achou o gol isso sim, com um chute de fora da área e que foi desviado em Bruno Guimarães, acabou encobrindo o Goleiro Santos e morrendo no fundo das redes.

O Athletico jogou muito melhor que o Boca Juniors, O sentimento de injustiça parecia que ia ficar para trás, quando Rony sofreu pênalti na área, mas Marco Ruben desperdiçou chutando na trave.

Agora é levantar e cabeça e buscar o resultado, por quê Não tá morto quem peleia!

No mês de julho teremos dois dos jogos mais importantes da nossa história, travaremos duas batalhas épicas contra o grandioso e poderoso Boca Juniors, umas melhores e mais vitoriosas equipes deste século. Quando paramos para analisar o quanto foi conquistado nos últimos anos é possível ver que estamos na melhor fase da nossa história, dentro do estado somos soberanos, campeonatos nacionais estamos sempre entre as equipes mais bem colocadas, somos os atuais campeões do segundo maior torneio do continente, mas até onde é possível chegar na libertadores?
Temos que tomar ciência de que ainda somos coadjuvantes dentro da maior competição da América do Sul, estamos na sexta participação da nossa história, a terceira nos últimos seis anos, fruto de um trabalho com extrema competência da diretoria rubro negra. Chegamos uma vez na final, mas ainda falta soltar o grito de campeão que está preso na nossa garganta desde 2005, fato que consagraria o nosso momento e nos colocaria de vez entre os destaques dos últimos tempos.
Mas até onde é possível chegar na libertadores deste ano? Seria possível uma classificação sobre o temido Boca Juniors?
Temos que ser realistas, somos inferiores tanto tecnicamente como historicamente, é difícil, porém não impossível, com os pés no chão, muita raça e vontade de vencer a classificação e o título ficam mais perto. Cabe a nós, torcedores, ir a o estádio, apoiar minuto a minuto, até o fim, com fé e esperança no nosso elenco e em nosso treinador, e sem nos afobar, pensar jogo a jogo, fase a fase, tentar zerar o nível de crítica a um jogador, somente o apoiar. Cabe lembrar que o futebol não é somente dentro das quatro linhas e que sim, os torcedores podem influenciar em um resultado, podem mudar o estado emocional do adversário, assim, favorecendo o furacão. Apenas ressaltando, cada torcedor faz parte do jogo!
Confesso que quando saiu o resultado do sorteio das oitavas fiquei com certo receio, todo mundo tem medo de enfrentar o Boca, porém, analisando posteriormente, para ser campeões temos que jogar contra os maiores e vencer, só assim chamaremos cada vez mais atenção do mundo do futebol e passamos a ser mais respeitados.
O Athletico tem que começar a entrar nas competições com o objetivo de vencê-las, não podemos mais nos contentar apenas por participar de uma libertadores, de chegar até as quartas da Copa do Brasil, temos que parar de temer os adversários e sempre entrar buscando sair como os campeões!

RENAN LODI ASSINA CONTRATO COM ATLÉTICO DE MADRID

Depois de se despedir dos companheiros no Furacão, Renan Lodi viajou para a Espanha para se apresentar no Atlético de Madrid. Neste domingo (7), o clube espanhol anunciou os detalhes do contrato, após o lateral ser aprovado nos exames médicos.
Lodi assinou com o time de Madrid por seis temporadas, após ser aprovado nos exames realizados na Clínica da Universidade de Navarra. Antes havia apenas um princípio de acordo com o Athletico, agora formalizado.

ATHLETICO CONTRATA LATERAL DANILO BOZA

O Furacão fechou nesta sexta-feira (05) a contratação do lateral-direito Danilo Boza, de 21 anos, que estava atualmente emprestado do Mirassol ao Braga, de Portugal. O contrato é de empréstimo e vai até abril de 2020.
Boza fez 15 jogos pelo Braga B na última temporada e não marcou nenhum gol.

Athletico confirma a contratação do zagueiro Pedro Henrique

Athletico confirmou a contratação do zagueiro Pedro Henrique. O jogador, de 23 anos, pertence ao Corinthians, realizou exames médicos na última sexta-feira (28) e foi emprestado ao Furacão até o final da temporada.

Athletico mais perto de perder o zagueiro Léo Pereira

O zagueiro Léo Pereira, do Athletico, está na mira de clubes europeus e também pode – assim como o lateral-esquerdo Renan Lodi que está sendo negociado – deixar o Rubro-Negro durante a intertemporada. De acordo com o site Calciomercato.it além da Inter de Milão, que já tinha demonstrado interesse no jogador, agora a Roma também está monitorando o defensor de 23 anos e, por isso, já solicitou ao Rubro-Negro mais informações sobre o atleta. Segundo a imprensa italiana, o Furacão quer 15 milhões de euros (R$ 65,2 milhões) pelo jogador.

Chineses tentaram levar Bruno Guimarães por R$ 170 milhões

Volante está chamando a atenção do futebol do exterior, mas não aceitou proposta do Shanghai Shenhua, preferindo oferta da Europa
Considerado hoje um dos melhores do futebol brasileiro, o volante Bruno Guimarães, do Athletico, está na mira de times de fora do país e rejeitou uma forte milionária. O Shanghai Shenhua, da China, sondou o jogador e estaria disposto a pagar a multa rescisória, que gira em torno de 40 milhões de euros (R$ 171 milhões).

Nikão pode sair do Athletico, e sua situação segue indefinida

Meia recebeu uma proposta de um time dos Emirados Árabes, mas Furacão ainda não sabe se ele vai embora. Titular do time e com contrato com o Furacão até dezembro de 2021, o jogador recebeu uma proposta dos Emirados Árabes e a negociação pode ser concretizada ainda nesta semana.

Wallace Reis pode pintar no Furacão

Para reforçar a zaga, o nome da vez é Wallace Reis, 31 anos, que está no Göztepe, da Turquia, e que pode ser a reposição para Paulo André, que encerrou a carreira de jogador e agora é o diretor geral de futebol rubro-negro.