Continuamos com nosso especial sobre a conquista da Copa do Brasil! Desse vez pedimos aos torcedores do rubro-negro, para nos enviar a gravação da sua comemoração.
Já adianto que é emocionante, da o play e se prepara para se emocionar mais uma vez.

DE UMA AJUDA PRA GENTE CONTINUAR FAZENDO ESSE CONTEÚDO LEGAL




No capítulo de hoje vamos aprender a fazer o melhor para seu currículo e assim diminuir a concorrência e continuar no alto nível. Vamos falar só dos últimos 10 meses (dezembro 2018 / setembro 2019), primeiramente ganhe o reconhecimento internacional com o titulo de uma SUDAMERICANA,
ganhe o estadual com um time sub 23, dispute uma Recopa, ganhe uma J.League YBC Levain Cup/CONMEBOL Sudamericana, para finalizar ganhe uma Copa do Brasil.

Currículo atualizado vamos aos fatos e resultados das conquistas:

Premiações altíssimas.
Maiores lucros com patrocinadores.
Maiores rendas.
Maior público.
Número de sócios aumentado.
Aumento do número de jogos em casa.
Aumento de vendas de copos festivos, alimento, cerveja e refrigerante durante os jogos.
Reconhecimento Nacional e Internacional.
Jogadores convocados para as Seleções (principal e olímpica).
Novos patrocinadores.
Aumento de venda de camisas( inclusive durante o jogo e após, pois existe uma máquina de venda instantânea no estádio) e artigos do clube.
Valorização de seus atletas, e patrimônio.
Aumento do número de troféus em sua galeria.
Exposição diária na mídia, em redes de televisão,rádios e redes sociais.
Aumento do numero de fãs.
Aumento do número de torcedores jovens. (Quem não quer torcer para um campeão).
Aumento de emprego e renda para trabalhadores informais em torno da arena.
Aumento nas vendas de fogos de artificio.
Alegria de seus torcedores.
Inveja,tristeza e abdução dos adversários.
Raiva e desespero da CBF.
Tirar pena de Urubu.
Matar o Imortal.
Dar rasteira em Saci.
Dar risada da CBF.
Desfilar em caminhão de Bombeiro tomando Kaiser.

Só quem é CAMPEÃO pode, em minha opinião.

LEGAL NÉ, AGORA DA AQUELA MORAL PRA GENTE 😉




Viagem
O Athletico chegou na tarde de ontem em Porto Alegre e teve que cancelar a visita ao Beira-Rio, prevista para a tarde de ontem, por atraso no desembarque. As operações na pista do Aeroporto Salgado Filho estavam suspensas pelo risco de raios. Com isso, o Furacão – que tinha feito um treino de manhã, ainda no CT do Caju – foi do aeroporto direto para o hotel.

Babacas
O hotel onde o Athletico está concentrado em Porto Alegre teve foguetório na madrugada desta quarta-feira (18), dia da final da Copa do Brasil contra o Internacional. A reportagem da Banda B filmou com exclusividade a ação de torcedores do Inter que ficaram quase dois minutos soltando fogos.
O foguetório começou por volta das 2h40 e teve até bateria para atrapalhar o sono dos jogadores do Athletico e retornou às 8h45. As ações aconteceram próximo do Hotel Sheraton, no bairro Moinhos do Vento, local em que a delegação está hospedada.

Premiação
Além do troféu, a disputa é marcada pela premiação fora do padrão: quem vencer o torneio mata-mata, pega R$ 52 milhões pela façanha.

Como vem o Inter?
A ideia do treinador Odair Hellmann é repetir a equipe que entrou em campo na Arena da Baixada. Porém, D’Alessandro sentiu problema muscular na coxa direita no treino de domingo e virou dúvida.
Possível Escalação: Marcelo Lomba; Bruno, Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Uendel; Rodrigo Lindoso, Edenílson, Patrick e D’Alessandro; Nico López e Guerrero.

Como vem o Athletico?
O Furacão não conseguiu visitar o Beira-Rio na véspera do jogo por conta de um atraso no desembarque da equipe em Porto Alegre. O técnico Tiago Nunes, porém, não deve promover surpresas, e a escalação deve ser a mesma do 1 a 0 na Arena da Baixada.
Possível Escalação: Santos; Khellven, Léo Pereira, Robson Bambu e Márcio Azevedo; Wellington, Léo Cittadini e Bruno Guimarães; Nikão, Rony e Marco Ruben.

Transmissão
A partida terá transmissão da TV Globo (para todo o país), SporTV e Premiere

Hora e Local:
Local: Beira-Rio (Porto Alegre-RS)
Horário: 21h30

Arbitragem:
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Bruno Raphael Pires (Fifa-GO)
VAR: Bráulio da Silva Machado (Fifa-SC)

Tempo em Porto Alegre
Nublado com chuva de manhã. Sol e diminuição de nuvens à tarde. Noite com muitas nuvens.



Em apenas 2 dias o Athletico entrará em campo para mais uma decisão. Estarão em disputa o troféu da Copa do Brasil 2019 e 52 milhões de Reais em mais uma oportunidade desse grupo de jogadores, comissão técnica e diretoria escreverem para sempre seus nomes na história do rubro-negro paranaense.

A vantagem conquistada na Arena da Baixada na última semana é grande o suficiente para permitir que a torcida rubro-negra sonhe com mais esse título, considerando o equilíbrio técnico entre as duas equipes. O Furacão tem ao alcance das mãos mais um título de primeira grandeza, e para conquistá-lo será necessário jogar com inteligência.

O Athletico deve ser o artífice de seu próprio destino, e isso só será possível tomando para si o controle do jogo e desacelerando o ritmo da partida para frear os ânimos da equipe do Internacional e da torcida colorada que certamente lotará o Estádio Beira-Rio.

A equipe rubro-negra não deve cair na armadilha de repetir a postura retraída e as condutas antidesportivas que o Grêmio protagonizou de maneira vergonhosa na Arena da Baixada, dentre outros tantos e recorrentes exemplos oferecidos pelo futebol brasileiro.

Não é necessário recorrer a tais ardis para desacelerar o ritmo do confronto. Retardar as cobranças de tiros de meta, faltas e laterais e ter um jogador que supostamente sentiu uma lesão caído no gramado a cada 5 minutos é uma conduta baixa, covarde e indigna para qualquer clube que queira fazer respeitar a sua grandeza.

A melhor maneira de atingir esse objetivo é valorizar a posse da bola sempre em que ela estiver sob o domínio do Furacão. Passar a bola sempre com precisão e ritmo acelerado, visando não somente impedir que os jogadores colorados a recuperem e gastar o tempo do cronômetro, mas também criar espaços na defesa adversária.

Quando surgirem as oportunidades, atacar. Sim, atacar. A equipe que entra em campo pensando apenas em sua defesa e no passar dos minutos está fadada a ser encurralada. Quando aparecerem os espaços, atacar com verticalidade e de forma agressiva, criando chances e buscando marcar o gol, para garantir que o receio do Internacional de levar o gol que pode selar o destino da decisão seja sempre maior do que a tentação de se lançar agressivamente ao ataque com o apoio de sua torcida.

O assunto já foi objeto de outro texto, mas repetir nunca é demais: ter a iniciativa é absolutamente fundamental para quem quer ver seu nome escrito em destaque na história. O técnico Tiago Nunes declarou recentemente que se o Athletico jogar no Beira-Rio pensando na vantagem construída em casa, perderá o título. O treinador está coberto de razão. Para ser campeão em uma final como a que o clube está vivendo, é necessário merecer a conquista do título em 180 minutos, não em apenas 90.

Por isso, para o Furacão a fórmula para ser campeão é controlar a posse da bola, controlar o ritmo do jogo e, em especial, controlar e vencer a tentação de acreditar que a vantagem conquistada na Arena da Baixa por si só é suficiente e que o caminho para o título passa pela prática de condutas antidesportivas. Controle, controle mais controle.

DA UMA AJUDINHA AÍ PIÁ DO DJANHO




O Athletico fez sua parte em campo, ficou aquele gostinho de podia ter feito mais um! Fora isso a torcida rubro-negra foi um show a parte. Acompanhe esse especial sobre a torcida do Furacão!

Já pela manhã, as bandeiras do Furacão já estavam hasteadas por toda cidade.

 

O dia correu cheio de expectativas, por volta do meio dia já tinha torcedores nos arredores da Arena da Baixada.

 

Torcida recebe ônibus do Athletico com rua de fogo. Com sinalizadores, cantos e muito barulho, torcedores recepcionam com festa a delegação do Furacão para a decisão contra o Internacional, pelo jogo de ida da final da Copa do Brasil.



  

Dentro do estádio a Torcida do Furacão, deu outro show! Vitória do Athletico por 1 a 0 sobre o Internacional, registrou 38.490 pagantes, com 39.772 presentes e R$ 2.685.790,00 de renda



 
Agora é continuar na torcida para mais uma conquista!


O Athletico Paranaense recebeu na no noite de ontem, quarta-feira (11), o Internacional em jogo válido pela final da Copa do Brasil 2019. A vitória pelo placar de 1×0, gol de Bruno Guimarães, deixa o rubro-negro em vantagem para o jogo de volta da decisão, que acontece na próxima quarta-feira (18) no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre.

Conforme as informações adiantadas pela mídia especializada, o técnico Tiago Nunes optou pela manutenção da equipe que conquistou a histórica classificação diante do Grêmio no partida de volta das semifinais, com Nikão atuando aberto pelo lado direito do ataque e Léo Cittadini no meio-de-campo ao lado de Wellington e de Bruno Guimarães. A única novidade foi o retorno de Léo Pereira à defesa, atuando ao lado de Robson Bambu.

O colorado gaúcho veio a Curitiba com a clara intenção de desacelerar o jogo e garantir um empate sem gols para decidir o título em seus domínios na próxima semana. A maior prioridade era não perder. Se fosse possível vencer se aproveitando de um contra-ataque ou de uma jogada de bola parada, melhor, mas se manter vivo na disputa pelo título era claramente o grande objetivo do Internacional na partida.

O Furacão, por sua vez, assumindo o protagonismo que se espera de um mandante em um jogo decisivo, dominou de forma avassaladora a equipe treinada por Odair Hellmann. Em certos momentos da primeira etapa a posse de bola do rubro-negro paranaense beirou impensáveis 80%.

As chances de gol foram raras de ambos os lados no primeiro tempo, algo compreensível quando se enfrenta um adversário preocupado somente com a sua defesa. Entretanto, o domínio do Athletico era absoluto e a tendência era que cedo ou tarde a barreira colorada se rompesse diante das recorrentes investidas rubro-negras.

E foi o que aconteceu. Grande destaque da partida, Bruno Guimarães aproveitou bate-rebate da defesa gaúcha para abrir o marcador em favor do Furacão aos 12 minutos da etapa complementar. A tendência natural àquela altura era que o rubro-negro do Paraná mantivesse o domínio das ações e talvez até ampliasse a vantagem já conquistada.

Entretanto, um movimento que Tiago Nunes realizou instantes antes colocaria em xeque o domínio rubro-negro. A saída de Léo Cittadini para a entrada em campo de Thonny Anderson resultou na perda do meio-de-campo pelo Athletico. O Internacional então cresceu na partida, chegou a criar algumas situações de perigo e poderia ter marcado um gol que colocaria o Furacão em situação delicada na decisão.

O único momento no período em que o Athletico esteve realmente perto de aumentar a sua vantagem no marcador foi quando Rony finalizou cruzado para excelente defesa do goleiro colorado Marcelo Lombo após realizar grande jogada individual.

A entrada de Lucho González no lugar de Rony mais de 23 minutos depois daquela primeira alteração acabou por mitigar as suas consequências, trazendo novo equilíbrio ao confronto. Porém, o rubro-negro jamais recuperou o amplo domínio demonstrado durante os primeiros 60 minutos de jogo, motivo pelo qual a vitória por 1×0 parece refletir o que de fato ocorreu em campo.

Bom resultado para o Furacão. Entretanto, para conquistar o título inédito da Copa do Brasil é indispensável que a valiosa lição tenha sido aprendida. Entregar passivamente o controle do meio-de-campo ao Internacional em uma bandeja de prata pode pode custar caro.



Athletico praticamente definido pra encarar o Internacional na Copa do Brasil, O Athletico encerrou na Arena da Baixada a sua preparação para encarar o Internacional, nesta quarta-feira (11), às 21h30, no mesmo local, pelo jogo de ida da final da Copa do Brasil. A imprensa pôde acompanhar apenas o aquecimento e, assim, o técnico Tiago Nunes, sem os holofotes dos jornalistas, definiu o time que vai tentar fazer um bom resultado nesta primeira partida decisiva da competição nacional.

Do meio para frente, o Athletico deve ser o mesmo. A escolha pelo meia Léo Cittadini deu certo contra o tricolor gaúcho. O Furacão teve um bom desempenho ofensivo e o jogador deve ser mantido entre os titulares. Com isso, Lucho González e Marcelo Cirino ficarão na reserva mais uma vez. Assim, o setor de contenção terá mais uma vez os volantes Wellington e Bruno Guimarães. Na frente, o time contará com o trio de frente formado de novo por Nikão, Rony e Marco Ruben.

 

COMO VEM O FURACÃO?
O provável Athletico deve ir a campo com: Santos; Khellven (Madson), Lucas Halter, Léo Pereira e Marcio Azevedo; Wellington, Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Nikão, Rony e Marco Ruben.

 

INTERNACIONAL
Odair Helmann fechou o último treino no Beira-Rio antes do embarque para Curitiba. Mas a menos que prepare alguma surpresa, o técnico deve repetir a escalação que venceu o Cruzeiro por 3 a 0 no jogo de volta da semifinal. Nico López voltou ao ataque e deu boa resposta contra os mineiros, com assistência para Guerrero, e segue no time. Resta saber como será a postura colorada em campo, se vai atacar para tentar a vitória ou se defender e deixar tudo para a volta, no Beira-Rio.

 

COMO VEM O INTER?
O provável Internacional, portanto, tem Marcelo Lomba; Bruno, Moledo, Victor Cuesta e Uendel; Rodrigo Lindoso, Edenílson e Patrick; D’Alessandro, Nico López e Guerrero.

 

POLEMICA
Ex-cartola do Grêmio diz que Athletico será ‘garfado’…O clima é cada vez mais tenso para a primeira partida da final da Copa do Brasil entre Athletico e Internacional, nesta quarta-feira (11), às 21h30, na Arena da Baixada. Após jogos de polêmicas de arbitragem envolvendo o Furacão, agora foi o ex-presidente do Grêmio Luiz Carlos Silveira Martins, o Cacalo, disse que o clube paranaense será ‘garfado’ na decisão.
A declaração polêmica foi dada no programa Segue o Jogo, do canal O Bairrista, que tem perfis em todas as redes sociais. “Atenção, se tem alguém ligado ao Athletico Paranaense assistindo ao programa, preparem-se. O Athletico vai ser garfado. Garfado pela arbitragem e pelo VAR. Porque mudou tudo na CBF, o Internacional cresceu, começou a ganhar até sorteio. O pênalti que deram para o Internacional contra o São Paulo foi ridículo”, disse.

 

PÚBLICO
Para aumentar ainda mais o clima de decisão, a Baixada estará lotada. A expectativa, inclusive, é sobre uma possível quebra de recorde – o melhor público do estádio é de 39.618 pagantes, com 40.263 no total, no 1 a 1 com o Junior Barranquilla (4 a 3 nos pênaltis), na Sul-Americana de 2018.

 

PREMIAÇÃO
Além da chance de escrever o nome na história, o título vale uma premiação milionária. O campeão abocanha R$ 52 milhões. E o vice, R$ 21 milhões. Athletico e Inter já somam R$ 12,3 milhões só em premiações. Ou seja, o campeão vai faturar R$ 64,3 milhões.

 

ONDE ASSISTIR?
Transmissão: Globo, SporTV e Premiere

 

ARBITRAGEM
Raphael Claus (SP) apita a partida, com Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa (RJ) e Neuza Ines Back (SP) nas bandeiras. Luiz Flávio de Oliveira (SP) será o responsável pelo VAR, o árbitro de vídeo.


O Furacão conseguiu nesta quarta-feira um feito histórico, uma remontada épica para cima do “imortal” que mais morre nesse Brasil e com isso reacendendo o fogo midiático sobre se está inserido no grupo dos doze times grandes do país.

Mesmo com o crescimento de vários times do Brasil nesta década não há como não admirar o incrível crescimento do furacão que não tem nem de longe o mesmo poder de investimento a exemplo de Flamengo e Palmeiras, mas consegue grandes resultados dentro e fora de campo e pode ser considerado sim um dos grandes que figuram pelo futebol nacional.
Desde o início da era Petraglia em 1995 o furacão teve um salto assustador em termos esportivos e financeiros, que proporciona aos profissionais e atletas uma estrutura de primeiro mundo visando cada vez mais potencializar a qualidade técnica e tática do time e com isso se tornando um clube modelo de gestão dentro e fora de campo, priorizando desde a última década o uso de jovens oriundos das categorias de base em suas campanhas, dando não só retorno técnico mas também econômico para o clube com as vendas dos pratas da casa para os gigantes europeus em sua maioria por valores astronômicos.

Quando o assunto é torcida somos reconhecidos pela nossa paixão e pressão que colocamos nos adversários, se tem torcida que muda resultados essa é a nossa, a diretoria tem como meta chegar a 30 mil sócios no seu quadro até o final do ano, algo que se começarmos a ter sempre grandes times e grandes conquistas será alcançado sem sombra de dúvidas se não agora, com certeza em um futuro bem próximo, haja vista essa nova geração que vem se apaixonando e passando a consumir a marca Athletico paranaense devido aos feitos recentes o que vai puxando essa molecada mais nova a cada vez mais mergulhar nesse oceano rubro negro.

A torcida Athleticana tem motivos de sobra para comemorar e acreditar que estamos no caminho certo para tornar o furacão cada vez mais gigante e quebrar a barreira nacional e brigar de frente com os maiores da América.

Deixo aqui duas perguntas, Na sua opinião analisando os aspectos financeiros, marketing, torcida e resultados o Furacão é o time que tem o maior crescimento no futebol brasileiro? O que falta para que a mídia se renda e enxergue o Furacão como um gigante do certame nacional?



O Athletico fez um mini-documentário sobre uma das maiores viradas da história da copa do Brasil. Foi emocionante e faço minhas as palavras do poeta Frejat: Meu rosto vermelho e molhado. É só dos olhos pra fora, Todo mundo sabe que homem não chora…#mentira
 

 

Quem acreditou e esteve junto viu a história acontecer! Uma virada que vai ficar pra sempre nas nossas memórias!

 

ASSISTA O VÍDEO E SE EMOCIONE




O Athletico Paranaense derrotou na Arena da Baixada na noite ontem, quarta-feira (4), a equipe do Grêmio por 2×0 em jogo válido pela semifinal da Copa do Brasil 2019. O resultado no tempo normal aliado à vitória gremista pelo mesmo placar em Porto Alegre levou a decisão da vaga na final do torneio para a disputa de pênaltis, onde o Furacão confirmou a sua imensa superioridade para garantir a classificação ao derrotar os gaúchos por 5×4.

Verdade seja dita, as perspectivas antes da partida eram sombrias em razão das más atuações recentes do rubro-negro paranaense. Ao ser questionado por um amigo se acreditava na classificação do Furacão para a final disse que sim, eu acredita, mas que essa crença dependeria de mudanças acontecerem para que o Athletico pudesse assumir o protagonismo no jogo e buscar o resultado de que precisava.

Bem, as mudanças aconteceram e foram muito mais do que evidentes. Depois de muito insistir em uma escalação quase sem meio-campistas, ontem vimos o técnico Tiago Nunes devolver Nikão à ponta-direita e posicionar Léo Cittadini ao lado de Bruno Guimarães no meio-de-campo. Os resultados dessas alterações foram imediatos, a presença de Cittadini acrescentou alternativas à saída de bola e liberou Bruno Guimarães para assumir maior protagonismo em um meio-de-campo que contava também com aparições eventuais e precisas de Nikão.

Campeão mundial de xadrez por aproximadamente 15 anos e considerado por muitos o maior enxadrista de todos os tempos, Garry Kasparov trata em alguns de seus escritos sobre algo que vinha faltando ao Furacão e que foi fundamental para a virada épica conquistada contra o Grêmio: a iniciativa.

O Ogro de Baku, como é conhecido o famoso grão-mestre, sustenta que a melhor forma de enfrentar um desafio é tomar a iniciativa e assumir o controle das ações. Embora seja muito tentador para um cruyffista convicto como o autor, é preciso ter muito cuidado ao extrapolar o conceito de iniciativa para um esporte como o futebol para não confundir ter a iniciativa com manter a posse de bola ou simplesmente atacar.

É possível estar de posse da iniciativa atacando ou contra-atacando, o que é fundamental é exercer um papel ativo no desenrolar dos acontecimentos. É representar em campo o caçador, e não a caça. Era isso que vinha faltando ao Athletico nos últimos jogos, e foi isso que sobrou na noite de ontem e que resultou em uma eliminação e em uma acachapante derrota para a equipe comandada pelo técnico Renato Portapulli.

O Furacão tomou a iniciativa, assumiu o controle da partida, reforçou constantemente a sua iniciativa investindo continuamente contra o gol defendido por Paulo Victor e ao Grêmio não restou nenhuma alternativa além de sucumbir perante o domínio absoluto do rubro-negro do Paraná.

A vaga na finalíssima foi merecida, as chances de título são reais e para isso tudo o que nós, torcedores, pedimos aos jogadores, à comissão técnica e ao técnico Tiago Nunes é que o Athletico mantenha não somente nos dois jogos da final da Copa do Brasil, mas em qualquer jogo que disputarmos daqui para frente a postura apresentada ontem na Arena da Baixada.

E contem sempre conosco, a fanática torcida rubro-negra estará presente e fará a sua parte. Rubro-negro é quem tem raça!