O Atlético de Madrid divulgou um comunicado, nesta sexta-feira, onde adianta o princípio de acordo com o Athletico pela contratação do lateral-esquerdo Renan Lodi, um dos destaques do Furacão.

Segundo o clube espanhol, o acerto está pendente de ser formalizado para o anúncio oficial da transferência do jogador de 21 anos.

Os valores ainda não foram divulgados, mas especula-se que a transferência pode render entre 20 e 25 milhões de euros ao Furacão. O lateral deve fazer exames médicos e assinar contrato em breve.

No comunicado, o Atlético de Madrid destaca o jogo ofensivo do lateral, além de sua versatilidade e velocidade. O mesmo texto foi replicado pelo Furacão em seu site oficial e redes sociais.

O lateral-esquerdo Renan Lodi, de 21 anos, foi vendido para o Atlético de Madrid por 25 milhões de euros (R$ 109,25 milhões). A negociação é a maior da história do Clube Athletico Paranaense em 95 anos de história.

O Athletico possui 70% do passe do atleta, que veio do Trieste em 2012 com apenas 14 anos. O clube amador de Santa Felicidade ficará com 30% da transferência.

Como sabem os amigos leitores, Renan Lodi, jovem lateral-esquerdo do Furacão, é objeto de cobiça de clubes importantes do futebol europeu.Considerando as informações que circulam na mídia nacional e internacional, a hipótese mais provável é que até o dia 31 de Agosto – data em que fecham as principais janelas de transferências do velho continente – Lodi deixe de ser jogador do Athletico para iniciar carreira internacional na Europa.

 

Antes de mais nada, é importante esclarecer que esse texto não pretende defender que Lodi abandone a ideia de se aventurar no futebol europeu e permaneça por muitos anos no Furacão. Como o lateral-esquerdo com o maior potencial do mundo que é, o melhor que se pode desejar ao craque é que faça uma brilhante carreira no futebol internacional e que no futuro – se um dia decidir voltar ao futebol brasileiro – vista mais uma vez a camisa do Athletico para dar ainda mais alegrias à fanática torcida rubro-negra.

 

Contudo, considerando que os principais candidatos a contar com os serviços de Lodi até o presente momento são o Atlético de Madrid, o Olympique de Lyon e o Zenit de São Petersburgo, a alternativa de permanecer no Furacão até o final de 2019 ou a metade de 2020 pode se revelar mais atraente do que parece em um primeiro momento.

 

Com o devido respeito aos clubes acima citados e a seus torcedores, nenhum deles compõe a lista de gigantes do futebol europeu, clubes que são candidatos aos maiores títulos e onde atuam os melhores jogadores do mundo. O Atlético de Madrid vive uma lenta ascensão financeira e esportiva, o Olympique de Lyon é um dos maiores clubes da história recente do fraco futebol francês enquanto o Zenit é um clube financeiramente muito poderoso de uma liga periférica da Europa, nenhum desses clubes facilitaria uma eventual saída de Lodi rumo a um dos já citados gigantes.

 

O mais provável é que fossem necessários alguns anos para que Renan Lodi se destacasse em um desses clubes e adquirisse a reputação necessário para que um clube do primeiro escalão da Europa aceitasse pagar o altíssimo valor que o seu clube certamente exigiria pela sua liberação.

 

Entretanto, caso decida por permanecer no Furacão, o jovem lateral-esquerdo é forte candidato a uma convocação para a seleção brasileira – Tite já manifestou a sua admiração pelo futebol de Lodi – e deverá ser ele a ostentar a camisa de número 6 da seleção olímpica que irá a Tóquio em 2020.

 

Atuações destacadas nesse período poderiam render ao jogador a oportunidade de vestir diretamente a camisa de um gigante do futebol europeu. Portanto, mais um ano de Athletico poderia significar pular uma etapa de alguns anos em um clube menos importante da Europa.

 

Nesse caso, seria uma excelente alternativa para todos os envolvidos, Renan Lodi poderia pular uma etapa em seu desenvolvimento como jogador e o Furacão poderia contar por mais um ano com uma de suas maiores revelações e provavelmente ainda venderia o jogador ao final desse período por uma quantia ainda maior.

Quem ai lembra da campanha da Uber para Maio Amarelo, do qual nosso goleiro Santos fez parte? Na Campanha Santos entrou em campo com o celular na mão e gerou muita polêmica em nosso país, muitas criticas vieram, muitos chamaram ele de irresponsável  muito “mimi” em torno disso.

Nós Athleticanos  acostumados com as inovações feitas pelo Clube Athletico Paranaense achamos tudo isso o máximo e saímos em defesa do nosso goleiro e do nosso amado Furacão. Mas aos olhos da mídia brasileira, e de torcedores de outros clubes e claro da CBF não foi bem aceita. O Furacão foi multado e Santos punido, mas eis que essa mesma campanha foi premiada no festival de Cannes desse ano ficando com a prata , o video também foi premiado no New York Festivals International Adversiting Awards 2019. Parabéns aos envolvidos.

Após o esclarecimento será tinha motivos para STJD punir o Furacão ? perseguição ou exagero ? Sabemos que o Athletico não é queridinho da CBF, da Globo. Já parou pra pensar se a mesma campanha tivesse sido feita com Flamengo, Corinthians, Palmeiras ?  eu já  e aposto que nada teria sido feito, nenhuma suspensão e multa. Algo assim já foi feito por um outro jogador.

No Paulistão de 2017, o atacante Romero pegou o celular fez uma selfie em comemoração ao gol, virou noticia aclamação da mídia e nenhuma punição veio, é disso que to falando.

Mas é isso o Clube Athletico Paranaense é inovador, polêmico e bate de frente com muitos, querendo ou não estamos ai pra incomodar.

 

Na minha opinião….
Temos 2 clubes para torcer, 2 Athléticos, um dentro de casa, vencedor, e um fora, perdedor.
Este dentro de casa, o vencedor, todos conhecemos, por incrível que pareça o perdedor também, mas aonde esta a diferença do vencedor e ganhador? Eis a questão…..
para não dar palestra por escrito vou citar alguns pontos que penso ser fundamentais entre as duas equipes com os mesmos jogadores na maioria das vezes, então não vou discutir qualidade técnica de jogador, pois dentro de casa, quando ha poucas mudanças, citaria ate duas ou três, o time da conta do recado.
Vamos começar com o fator campo, o sintético favorece os times mais habilidosos e rápidos, e existem muitos times iguais ou melhores que nós nas competições que disputamos e mesmo assim ganhamos, claro que também facilita para quem treina nele e joga mais vezes, como qualquer time que jogue mais com grama alta ou baixa, molhado ou seco, grama fina e grossa, no calor e no frio, altitude, enfim, fatores que cada time escolhe para jogar na sua casa que traga beneficio em relação ao adversário. No nível que o Athlético joga hoje não existe grama ruim nos estádios, por sinal são excelentes, sem buracos, drenagens perfeitas, etc…. Não acredito que o campo de jogo faça a diferença.
Em casa o time troca quase o dobro de passes que fora, este é um motivo, como resultado menos posse bola que o adversário, trazendo o time adversário para cima do nosso time, como o CAP é um time que ataca muito bem(em casa) a defesa é bem menos acionada e assim corre menos risco de tomar gol, fora é ao contrario, um time acostumado a atacar tenta se defender, recuado, que não é a característica do time, se defendendo, sem posse de bola esperando raras oportunidades de gol, poucos chutes a gol, assim diminuído bastante as chances.
Jogadas ensaiadas não funcionam, podem até treinar mas não esta adiantando, qual foi o ultimo gol de falta? e de cobrança de escanteio? quem bate as faltas? não existe cobrador oficial, e quem acha que vai bater bem pega a bola e chuta, se for para cruzar temos os batedores, e o ¨achismo¨ esta matando estas bolas paradas.
Time com substituições pontuais, no mesmo tempo de jogo com os mesmos jogadores, nenhuma surpresa, treinadores adversários já sabem o tempo e a substituição a ser feita pelo CAP, (exceção de contusões), facilitando novamente a vida dos treinadores adversários.
Em casa Lucho é um líbero, joga avançado, joga livre com a posse de bola, cobre volantes e laterais na marcação, fora é um volante limitado, prendendo o time no próprio campo, pois avança muito pouco, e sua qualidade e inteligência na frente faz falta.
Na arena Renan é mais meia\atacante e Jonathan meia direita, jogamos sem laterais, com 2 zagueiros e o volante saindo com a bola pelo meio na frente da zaga compondo o meio campo, as vezes este volante é o 3º zagueiro para que os outros dois zagueiros possam cobrir as laterais, fora temos 2 zagueiros, as vezes 3, com um dos volantes recuando na linha da zaga e 2 laterias que só sobem até a marcação chegar, param de apoiar e esperam o contra ataque sozinhos na lateral do campo.
Outro fator importante é o cansaço psicológico e físico que o time da na arena, com a posse de bola e a troca de passes um pouco mais rápida, ou moderada depende do andamento e placar do jogo, faz com que o adversário corra atras da marcação, e um desgaste físico muito grande correr assim, e para piorar depois de um certo tempo vem o desgaste psicológico, muito tempo sem pegar na bola o jogador começa a se irritar ou ficar tenso, pois afinal é um jogo com a bola, sem ela é chato ficar correndo.
Temos respeito? Responda você, quem é o CAP dentro da arena? quem é fora? Direi por mim, um gigante digno de respeito por qualquer time das Américas, fora um time simples, que não da medo devido as estatísticas. Tem fama de derrotado fora de casa.
Um ponto importante é a torcida, mesmo com a falta que a torcida organizada FANÁTICOS faz, a torcida empurra, ajuda, aplaude e os jogadores se sentem a vontade de jogar aqui.
Uma frase de Vanderlei Luxemburgo resume bem, o qual não sou muito fã, mas é um ser extremamente inteligente, fala:
¨O MEDO DE PERDER TIRA A VONTADE DE GANHAR¨.
Esta frase diz muito a respeito do nosso time, não dos jogadores, mas sim da comissão técnica e gerencia de futebol.
Para finalizar já que vamos perder mesmo fora de casa, vamos ATACAR.

O Athletico foi até o Estádio Serra Dourada na noite de ontem, 13 de Junho (quinta-feira), para enfrentar o Goías em partida válida pela 9ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2019. A derrota pelo placar de 2×1 (gols de Kayke, Leandro Barcía e Rafael Vaz [contra]) deixou o Furacão na 12ª posição na tabela de classificação com 10 pontos conquistados.

 

Considerando que não houve transmissão do jogo de ontem por nenhuma emissora, é virtualmente impossível fazer uma avaliação precisa sobre os motivos técnico-táticos que levaram o rubro-negro à sua 5ª derrota em 9 jogos disputados no Brasileirão 2019.

 

Entretanto, há alguns aspectos no desempenho da equipe que precisam ser urgentemente revistos pelo técnico Tiago Nunes no período de treinamentos que acontecerá durante a pausa no calendário do futebol brasileiro para a disputa da Copa América.

 

TIME UNIDIMENSIONAL

Uma das grandes qualidades que levaram o Athletico à conquista da Copa Sulamericana em 2018 foi a capacidade que a equipe possuía de se adaptar aos adversários que enfrentava.

 

Os comandados de Tiago Nunes se mostraram capazes de jogar tanto dominando a posse de bola e pressionando a saída de bola da equipe adversária quanto dando espaço ao adversário para retomar a bola e lançar contra-ataques fulminantes.

 

Já em 2019 o que vemos é um time que se apresenta sempre da mesma maneira e que tem muitas dificuldades quando o jogo não se desenvolve da forma como era esperada, pois é incapaz de se adaptar às novas exigências da partida. A capacidade de adaptação é fundamental para o sucesso e precisa retornar.

 

INSISTÊNCIA EM ALGUNS JOGADORES

Durante os primeiros 19 jogos da temporada, vimos algumas figuras se tornarem recorrentes nas escalações do Furacão sem que seu desempenho tenha justificado tantas oportunidades.

 

Madson, substituto de Jonathan na lateral-direita, é um bom exemplo disso. Apenas mediano tanto na fase defensiva quanto na ofensiva do jogo, o jogador tem sido alvo de críticas ferozes da torcida.

 

Somando-se ao desempenho ruim de Madson o fato de Jonathan assistir a todos os jogos do banco de reservas, é impossível que a torcida não questione se o titular veterano não deveria estar em campo em mais partidas ou se Erick – que desempenhou bem o papel quando esteve na posição – não deveria ter mais oportunidades.

 

O veterano lateral-esquerdo Márcio Azevedo é outro exemplo que não se pode deixar de citar. Com passagens de sucesso pelo próprio Athletico e pelo futebol ucraniano, acho que poucos duvidam que Azevedo tem condições de apresentar um futebol melhor do que o que vem jogando, mas continuar expondo um jogador potencialmente útil ao escrutínio da torcida e da mídia especializada pelas seguidas falhas cometidas ao longo das últimas partidas parece uma decisão no mínimo questionável.

 

Talvez seja um bom momento de dar ao jogador um período de treinos e de tranquilidade para que se recupere tecnicamente e para que a torcida possa digerir e esquecer – ao menos em parte – as falhas cometidas.

 

O volante Wellington, por sua vez, talvez seja o menos criticável dentre os jogadores citados, mas incomoda o fato de um jogador tecnicamente limitado ter vaga cativa entre os titulares do clube.

 

Quando chegou ao clube em 2018, o atleta era considerado uma opção para momentos específicos. Um jogador voluntarioso, bom marcador e que cumpre o seu papel em campo de modo satisfatório, mas que não deveria ser uma constante em clube que se propõe a brigar por títulos.

 

Como devem se lembrar os amigos leitores, o meio-de-campo do Furacão campeão sulamericano em 2018 era formado por Bruno Guimarães, Lucho González e Rafael Veiga. Não existe nada que justifique a necessidade de que se tenha em campo o tempo todo um volante voltado exclusivamente para a defesa, então por que não ter ao lado de Lucho e Bruno Guimarães um jogador mais criativo – como Bruno Nazário – ou mesmo um volante com mais qualidade técnica – como Erick ou Matheus Rossetto?

 

PONTUAR FORA DE CASA É FUNDAMENTAL

Até o presente momento, a equipe principal do Athletico fez em 2019 um total de 10 partidas fora da Arena da Baixada, com 8 derrotas (Tolima, Jorge Wilstermann e Boca Juniors pela Libertadores, River Plate pela Recopa Sulamericana e Fortaleza, Flamengo, Palmeiras e Goiás pelo Campeonato Brasileiro) e 2 empates (Chapecoense pelo Campeonato Brasileiro e Fortaleza pela Copa do Brasil).

 

Nesses jogos, o Athletico marcou 7 gols (média de 0,7 gols/jogo) e sofreu 12 (média de 1,2 gols/jogo). Em partidas válidas pelo Campeonato Brasileiro, o aproveitamento fora de casa é de miseráveis 6% (1 ponto conquistado dentre os 15 disputados).

 

É bem verdade que esses resultados permitiram o avanço às quartas-de-final da Copa do Brasil e às oitavas-de-final da Libertadores da América, mas também custaram um possível título na Recopa e nos deixaram a apenas dois pontos da zona de rebaixamento no Brasileirão.

 

Não apenas os resultados fora de casa precisam melhorar, mas o desempenho da equipe longe da Arena precisa evoluir a ponto de tornar essa equipe competitiva e candidata a títulos como a torcida rubro-negra espera.

 

RODÍZIOS EXAGERADOS E MAL PLANEJADOS

Para não alongar em um tema recentemente tratado neste espaço, é fundamental que o clube saiba planejar os rodízios, de modo que o Campeonato Brasileiro não seja deixado de lado e que os principais jogadores estejam disponíveis para os principais confrontos em todas as competições.

 

CONCLUSÕES

A parada para a Copa América é fundamental, o que for feito ao longo desse quase um mês em que não haverá compromissos oficiais para o clube definirá o nível de sucesso que alcançaremos no segundo semestre de 2019. Caberá a Tiago Nunes e aos jogadores aproveitar esse período de treinamentos para dar um salto de qualidade e atingir o nível de desempenho que deles se espera, e que se sabe que são capazes de atingir.

Um ponto essencial para podermos dissertar sobre esse assunto, é saber a diferença entre gostar do jogo em si. E se deve ser valorizado, são duas coisas diferentes.

O Futebol Feminino sofre de um grande mal – quem organiza! Se quem comanda o esporte entendesse que as mulheres não tem as mesmas características de um homem, mudariam várias coisas, como: Tamanho do campo, tamanho do gol, e outras coisas que mudariam a dinâmica do jogo, e mais, deixariam o jogo muito mais agradável para o público, e facilitaria a vida também das atletas. Essa mudança de padrão recorrente do sexo, acontece em vários esportes. O Basquete é um que vimos bem como acontece isso.

Porém, essa argumentação não serve de desculpa para o descaso de todos as autoridades do pais em relação a todos que fazem parte do Futebol Feminino, tanto que em vários lugares do mundo elas são muito mais reconhecidas que aqui. Essas pessoas que fazem o mundo do Futebol Feminino acontecer, merecem um reconhecimento maior, um investimento imensamente maior. Agem como se elas não merecessem, como se tivessem culpa do jogo delas não ser valorizado como o do sexo masculino. Elas não merecem mais que eles, mas também não merecem menos, é o mesmo esporte!

A mudança de regras e padrões fariam um bem enorme ao Futebol Feminino, principalmente para as próprias atletas e ao público, mas de nada resolveria se quem pode investir não valorizasse quem faz parte do esporte.

 

Autor: Malco Lopes, colunista do Olho no Furacão e editor chefe da Central do Fut

Dentre os clubes que retornaram à Série A em 2019, o Goiás é de longe o de melhor campanha, aparecendo na primeira página da tabela de classificação e dando muito trabalho aos gigantes do futebol brasileiro.
A nível de elenco e qualidade técnica, os goianos estão consideravelmente abaixo do nosso rubro-negro, mas o fato do Furacão enfrentar “problemas crônicos” como visitante acaba equilibrando o duelo, as baixas de Léo Sena e David Duarte farão falta ao Esmeraldino, por serem dois pilares para o bom momento do time.
O ​Furacão, por sua vez, não tem novas baixas/ausências além dos suspensos Camacho e Thiago Heleno, pegos no antidoping, desta forma, Tiago Nunes poderá entrar em campo com sua escalação considerada titular, com objetivo claro de conquistar a primeira vitória do nosso Furacão fora de casa neste Brasileirão, e lá na sertaneja terra do arroz com pequi e temos uma bela oportunidade para o Athletico vencer, convencer e acabar com essa incômoda situação dos jogos longe de casa e ter dias tranquilos nesta parada para a copa América.

Provável Goiás: Tadeu; Daniel Guedes, Yago, Rafael Vaz e Jefferson; Geovane, Yago Felipe e Giovanni Augusto; Michael, Kayke e Leandro Barcia.

​Provável Athletico: Santos; Madson, Paulo André, Léo Pereira e Abner; Wellington, Bruno Guimarães e Lucho González; Nikão, Rony e Marco Ruben.

​Ficha técnica: ​Goiás x Athletico-PR
​Duelo válido pela 9ª rodada do Brasileirão 2019
​Data: ​13/06/2019
​Hora: ​20h (de Brasília)
​Local: ​Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)
​Árbitro: ​ Rodrigo Carvalhaes de Miranda (RJ)
​Árbitro de VAR: Pathrice Wallace Côrrea Maia (RJ)

Meu palpite: Goiás 1 x 2 Athletico Paranaense

Vamos para a última rodada do Brasileirão antes da parada para a Copa América.

Tá certo que os favoritos deixaram um pouco a desejar na última rodada, mas mesmo assim foi possível chegar nos 60 pontos. E aí parça, como foi a sua pontuação?

Mantendo uma escalação conservadora, seguem os palpites para essa rodada.

 

Veja duas opções por posição para esta rodada.

 

Zagueiros

 

Víctor Cuesta (Internacional) – C$13,67

O gringo dispensa apresentações e sua média de pontos falar por si só. Como mandante o Internacional ainda não perdeu e a média de gols sofridos em casa é muito baixa.

 

Edu Dracena (Palmeiras) – C$6,71

Em seu jogo de estreia pelo Palmeiras ele apresentou um bom jogo e para os cartoleiros rendeu 7,30 pontos. O Palmeiras encara o lanterna Avaí na Arena Palmeiras.

 

Laterais

 

Marcos Rocha (Palmeiras) – C$16,51

Marcos Rocha continua sendo uma boa opção de lateral para esta rodada ainda mais considerando sua média de 10,27 pontos.

 

Renê (Flamengo) – C$8,12

Apesar dos números ruins da última rodada, o Flamengo aparece com uma das opções para esta rodada e Renê é um dos mais escalados. Clássico nunca é fácil e dessa vez o Flamengo encara o CSA, que é o aspirante a lanterna do Brasileirão.

 

 

Meias

 

Zé Rafael (Palmeiras) – C$9,49

Um dos meias mais escalados desta rodada, Zé Rafael vem como boa opção e essa é a chance do meia mostrar todo o seu potencial.

 

Nonato (Internacional) – C$8,54

Um dos jogadores que vem se tornando referência no meia campo, Nonato vem apresentando boa atuação principalmente em jogos do Inter como mandante.

 

Atacantes

 

Bruno Henrique (Flamengo) – C$18,09

Apesar da atuação da última rodada, Bruno Henrique é uma boa opção para esta rodada jogando contra o CSA que ainda não conseguiu encontrar um equilíbrio no time.

 

Dudu (Palmeiras) – C$18,17

Um dos, se não o mais escalado, Dudu é o favorito para esta rodada, inclusive um dos favoritos como capitão.

 

A rodada #9 começa hoje às 19:15h com a partida entre Botafogo e Grêmio no Engenhão.

 

Fique ligado que o mercado fecha às 17:15h de Brasília, não esqueça de escalar .